terça-feira, 25 de abril de 2017

Com apoio do Instituto Dagaz, Festa do Trabalhador movimenta Quilombo de Santana, em Quatis

Este ano, a tradicional Festa do Trabalhador no Quilombo de Santana, no distrito de São Joaquim, em Quatis, conta com participação do Instituto Dagaz. Nos dias 30 de abril e 1º de maio, a comunidade vai receber extensa programação gratuita em comemoração à data. A festa será movimentada com o apoio da ONG, que executa projetos de preservação quilombola, através do Condomínio Cultural, gerenciado pela prefeitura.
Em parceria com as secretarias de Governo, Educação, Cultura e Turismo, de Obras, Urbanismo e Serviços Públicos e de Ordem Urbana, a festividade busca valorizar artistas locais e a comunidade, além de atrair toda a população ao quilombo. 
- A festa este ano foi pensada com o objetivo de valorizar as pessoas e trabalhadores do Quilombo de Santana. É uma forma de homenagear todos os trabalhadores deste país, começando pelo trabalhador rural, que produz 80% dos alimentos do Brasil - destacou a coordenadora do Condomínio Cultural do Instituto Dagaz, em Quatis, Margot Ramalhete.
Programação
Dia 30/04 (Domingo)
8h às 9h - Piquenique Quilomobola
10h às 11h - Festa das Crianças com Oficinas Culturais
12h  às 13h - Almoço com caldos
13h às 16h - Continuação da Festa das Crianças
16h – Torneio de futebol
19h20 – Forró com a banda Arte Show - Marcio Nogueira, bandas regionais e participação da comunidade nos intervalos
21h – Apresentação de Jongo
02h  – Encerramento
Dia 1º de maio (Segunda-feira​)

8h – Início da tradicional caminhada
11h – Celebração da missa na igreja da comunidade
12h30 – Almoço quilombola
15h – Leilão de Prendas com locutor José Darci
16h – Roda de Pagode
22h – Encerramento
Condomínio Cultural
O projeto Condomínio Cultural, Arte e Cidadania - Instituto Dagaz em Quatis tem o objetivo de resgatar e preservar a memória material e imaterial do Quilombo de Santana. Formada por descendentes de escravos da antiga Fazenda do Barão do Cajuru, a comunidade recebeu, em 1903, a doação das terras, por sua filha Dona Maria Isabel, após o fim da escravidão. 
O projeto, patrocinado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), preserva e divulga a cultura afro brasileira e busca o empoderamento social dessa população. Entre as atividades executadas no local, se destacam as oficinas gratuitas de produção de berimbau, artes cênicas, música, literatura, culinária, artesanato, dança e capoeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário